Quem vai matar o ABAP?

Muito bem programadores ABAP, nos vemos em mais uma era de caça as bruxas de ABAP. De tempos em tempos escutamos nos corredores de nossos projetos ou de nossas empresas que o ABAP está com os dias contados. Será que é realmente verdade? Qual a sua opinião sobre isso?

            O ABAP (Advanced Business Application Programming) nasceu na década de 80 com a incumbência de ser a linguagem de programação do ERP SAP. Inicialmente seu objetivo fundamental era a construção de relatórios no longíquo e obsoleto SAP R/2 e sua principal funcionalidade era a construção de relatórios facilitado. O ABAP foi criado com o intuito de gerar facilidades para desenvolvedores e usuários, que permitisse criar e analisar relatórios gerenciais de forma fácil e intuitiva. Convenhamos para a década de 80, a usabilidade SAP era um primor.

            Com o passar do tempo a dependência do ABAP se tornou cada vez mais forte e constante no mundo SAP. Como todos sabemos, uma implementação SAP 100% standard é extremamente rara e praticamente improvável (pelo menos no mercado brasileiro) e isso exigiu a construção de sistemas cada vez mais customizados. Com isso no ano de 1999 a SAP decidiu incorporar novas funcionalidades para modernizar sua linguagem e facilitar a vida de nós desenvolvedores. Dentre essas funcionalidades, iniciou-se a quebra do paradigma da linguagem estrutura e o ABAP passou a ter um aparato orientado a objetos – OO. Dessa forma, iniciou-se uma nova era da linguagem, mesmo que todos nós programadores sabemos que pouco desenvolvimento hoje é feito em OO e a sua grande maioria ainda é feita de forma estruturada.

            Como se não bastasse a onda de modernização, no início dos anos 2000 a SAP vem com mais uma história que atormentou nossas vidas nesse período. Com o movimento WEB em evidência, o Java dominando o mercado o nosso querido ABAP encontrou a primeira grande ameaça. Me lembro como se fosse ontem, muita gente argumentando que era fundamental se certificar em Web Dynpro Java porque o ABAP iria morrer e que a SAP entendia que o futuro seria essa nova tecnologia. Pasmém, a primeira grande dúvida de um programador ABAP iniciando sua caminhada já com a iminência de sua tecnologia ser descontinuada. Que dúvida cruel, não acham?

            Então em 2003 viu-se a SAP montar uma parceria com a Sun Microsystem para criar essa nova tecnologia de aplicação WEB utilizando o Java como base. Sua principal característica era melhorar a interface com os usuários e permitir um acesso WEB facilitado com o SAP. Porém, foram 7 anos de sobrevivência por aparelhos e no momento que a Oracle engoliu a Sun Microsystem comprando o Java, a SAP praticamente descontinuou o projeto Web Dynpro Java e manteve apenas o Web Dynpro ABAP, com todas suas limitações e seu baixo apelo de uso. Enfim, um factóide que trouxe um final feliz para nosso amado ABAP e aqui estamos em 2015 falando sobre ele novamente.

            Com toda a facilidade atual da internet, me encontro na mesma situação que a mais de 10 anos atras e muitas conversas de corredores sobre a morte do ABAP. Hoje encontro muitos programadores preocupados com tanta tecnologia surgindo e com o forte movimento da SAP para se mordernizar. A bola da vez é a iniciativa da SAP com o Fiori e o UI5, tecnologia e linguagem que utilizam os melhores conceitos WEB do momento para um framework e uma ferramenta com o carimbo SAP. Tive o primeiro contato com essas tecnologias em 2014 e vou confessar pra vocês, a experiência foi assustadora. Imagine nós programadores client-Server tradicionais de uma hora para outra termos que imergir em um mundo totalmente diferente, que é esse mundo WEB, não é assustador? Me perguntei então, será que após 10 anos trabalhando com ABAP, chegou a hora de me especializar em HTML5, CSS3, Javascript, AngularJS, Node.js e afins? Confesso que fiquei bastante intrigado.

            Mas agora analisemos! Essas tecnologias trazem inúmeras facilidades, desenvolvimento ágil, integração facilitada, relatórios lindos e usabilidade perfeita. Como um pobre ABAP sobreviveria? Tudo funciona lindamente bem, quem não compraria um projeto desses? Essa visão é inevitável e a certeza de que você precisa entrar nessa onda é muito clara. Nesse momento a SAP realmente opera um movimento extremamente forte para dar ao ERP ferramentas WEB com a eficiência e a qualidade que ele nunca teve. E sim, esse movimento é muito consistente e deve dominar o mercado muito em breve. A tecnologia da SAP possui suas restrições, seus problemas, suas limitações, porém, permite a seus clientes que desenvolvam seus legados com ferramentas homologadas e controladas pela SAP. Isso traz um respaldo enorme no momento de escolher sua tecnologia de desenvolvimento em um projeto SAP.

            Como resistir a essa onda que está virando um Tsunami? Como evitar a troca do ABAP com toda essa tecnologia nova surgindo? Eu lhe respondo com minha visão de mercado. O ABAP está enraizado em todos os clientes pelo mundo e não faz sentido re-desenvolver totalmente o ERP que hoje funciona de forma estável a tanto tempo. O risco para a SAP ao dar um passo desses seria extremamente alto e convenhamos, não há a necessidade de assumí-lo neste momento já que a empresa domina o mercado mundial. Em contrapartida, o movimento de modernização acontece para facilitar a vida de todos, e o SAP UI5 vem como um framework para desenvolvimentos WEB seguindo o modelo MVC (Model-View-Controller) e por baixo dos panos continuará com o ABAP para buscar os dados, persistí-los e validar regras.

            Ou seja, fiquem felizes companheiros ABAP nossa linguagem não morrerá tão cedo e o SAP UI5 virá para nos ajudar. Agora eu te pergunto! Em pleno 2015 quem aqui não ouviu ou leu alguma oportunidade de mercado que exija um desenvolvedor Cobol, Lisp ou Fortran? É meus amigos, se esse pessoal ainda está na ativa, anime-se, você não precisará se incomodar com a morte do ABAP tão cedo. No entanto cuidado! Não deixe de se modernizar, estude essas novas tecnologias, porque elas te acompanharão daqui para a frente cada vez mais próximas. Crie oportunidades para que você possa contribuir quando esses projetos chegarem.

            Deixo então aqui minha palavra final:

                         Continuemos com nosso estimado ABAP fazendo as melhores soluções para nossos clientes e aproveitemos a modernização da SAP para encarar esse novo mercado como oportunidades. Oportunidades essas, que ajudarão nossos clientes na oferta de melhores soluções e que otimizem a entrega de valores dos nossos projetos. Grande abraço e vida longa ao ABAP para todos nós!

            E você? como desenvolve seu código ABAP? Quais indicadores de qualidade você apresenta? Qual o valor que seu cliente recebe? Quer um controle de qualidade automatizado, indicadores que te ajudem a gerir a qualidade do seu ambiente de desenvolvimento? O QAMetrik resolve essas questões para você com um baixíssimo custo. Entre em contato com nossa equipe para conhecer melhor a ferramenta.

Sobre o autor:

Alcir Trainotti é formado em Engenharia de computação, Mestre em engenharia de produção especializado em gestão do conhecimento e professor universitário a mais de 3 anos. No mercado SAP atua a mais de 10 anos como desenvolvedor ABAP especializado em integração de sistemas. Atuou em diversos projetos de implantação de SAP, manutenção de ambientes e no desenvolvimento tecnológico de produtos relacionados com o ERP SAP pelo Brasil.


Voltar