SAP Performance Optimization

Problemas no SAP acarretam sérias consequências para a empresa. O atendimento ao cliente torna-se ineficiente, não há fechamento de negócios e líderes não conseguem tomar decisões. Isso tudo acaba gerando um impacto financeiro significativo em seus negócios. Por isso, é necessário monitorar o desempenho do sistema de forma eficiente e garantir que os problemas sejam localizados e resolvidos rapidamente. Mas, nos ambientes SAP atuais, que são bastante complexos, o monitoramento continua a se tornar mais desafiante e crítico.

A cada dia que passa as organizações buscam formas adequadas e econômicas para gerenciarem seus ambientes no decorrer de seu ciclo de vida: implantações, consolidações, migrações, upgrades e manutenções recorrentes. Mas como maximizar o desempenho desses ecossistemas complexos, dinâmicos e inter-relacionados? A seguir, veja algumas métricas para obter maior performance de seu ambiente SAP.

Obtendo uma linha de base precisa

Os ambientes SAP são compostos por vários elementos diferentes, que são interdependentes. Um problema detectado por um usuário pode ser proveniente de componentes do SAP, do hardware, software ou elementos da infraestrutura subjacente. Para começar a obter uma maior performance, os administradores precisam criar linhas de base efetivas. Assim, é possível identificar rapidamente o surgimento de um problema.

As linhas de base são essenciais para um ótimo gerenciamento de mudanças no ambiente. Caso uma empresa as tenha, ela poderá visualizar como as mudanças na infraestrutura podem afetar o desempenho. Logo após a implementação de um novo sistema de armazenamento, por exemplo, os administradores podem medir os novos tempos de resposta e comparar com a linha de base antes da implementação. Quando se têm essas medidas do antes e do depois fica fácil compreender e solucionar o problema.

Sendo proativo para evitar problemas

Geralmente os administradores só têm conhecimento de um problema depois que ele teve impacto no ambiente. A anormalidade é detectada pelo usuário de negócios, que relata à equipe de TI. Esta agirá rapidamente e trabalhará para localizar e corrigir o problema, evitando o aumento de despesas. Para otimizar o desempenho, os administradores precisam gerenciar proativamente seus ambientes SAP. É necessário detectar os problemas antes que causem impacto no negócio.

Otimizando o SAP para os usuários

Muitos dos problemas de desempenho são provocados por falhas operacionais nos processos. As falhas ocorrem principalmente no final do mês, quando o grupo financeiro executa uma enorme quantidade de atividades. Um simples desvio de processo cometido pelo usuário pode ter um impacto significativo no desempenho de todo o sistema. E para minimizar os impactos é necessário gerenciar a capacidade de otimização e os picos contínuos de maneira inteligente. Os administradores devem verificar áreas como tarefas em segundo plano, tarefas de Dialog, conexões de usuários, interfaces e requisições de mudanças, cargas de trabalho recorrentes, relatórios de longa duração e impressão.

Medindo o que é importante com SLAs

Em ambientes SAP complexos, centenas de métricas podem ser geradas. No entanto, para serem efetivas, os administradores necessitam compreender quais métricas são mais importantes e trabalhar para otimizá-las. Os indicadores de desempenho devem representar a base dos SLAs (Service Level Agreements) que a organização de TI utiliza para relatar o desempenho. Os relatórios de SLA permitem que as organizações de TI e os provedores se serviços de internet demonstrem a conformidade com os níveis de serviços prestados e acelerem a resolução de problemas. E ao assegurar a conformidade com esses relatórios, torna-se possível evitar o downtime.

O uso de SLA para aplicações SAP servem para monitorar e correlacionar relatórios de violações de aplicações estratégias de negócios, aumentando assim a segurança do projeto. Portanto, quanto melhor os SLAs, menor o risco e maior o custo do projeto. O acordo de níveis de serviço também garante que as ordens e itens de pagamento atendam aos requisitos de uma instituição financeira. Você pode configurar o sistema para que a ordem de pagamento seja enviada para o tratamento de exceções, caso a porcentagem de itens do destinatário esteja incorreto e exceda o valor do limite estipulado. Os seguintes tipos de SLA são utilizados para cada item de pagamento:

1. Área Clearing SLA – Utiliza-se a área de compensação de SLAs para estipular os requisitos que as ordens de pagamento têm de cumprir para garantir o processamento de pagamentos em Payment Engine.

2. Segmentos de clientes SLA – Você usa esse segmentos para definir condições especiais para grupos específicos de clientes, tais como pessoas de alta renda, famílias, pessoas VIPs, etc.

3. Cliente SLA – Esse nível é aplicável apenas a clientes individuais. Você pode fazer acordos especiais do cliente com a instituição financeira ou definir as necessidades dos clientes especiais.

A maioria dos controles formais e materiais dependem do SLA para determinar o item de pagamento que será processado. Ele define não apenas os controles que o sistema executa, mas também as informações de todo o processo que é utilizado no processamento dos itens de pagamento.

Já as equipes de TI devem acompanhar a experiência dos usuários, incluindo a disponibilidade dos aplicativos e os tempos de resposta. A elaboração de pesquisas de percepção dos usuários através da central de serviços o ajudará a acompanhar o que os clientes pensam sobre os serviços que estão utilizando. As empresas têm muito a ganhar ao obterem uma maior performance de seus ambientes SAP. Com a adoção das métricas citadas acima, os administradores podem começar a gerenciar e melhorar o desempenho de maneira efetiva.

Este post foi útil para você? Comente e compartilhe! 

 

Especialista


Voltar